UNITA - ANGOLA
Com os Acordos de Bicesse, os angolanos conquistaram ainda a democracia participativa aquela que se concretiza através do Poder Local Autárquico. Como todos devem saber, aqui na nossa região da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral – SADC e nos Países de Língua Oficial Portuguesa, Angola é único país que não realiza eleições autárquicas.
03/05/2021
Comemora-se hoje 1° de Maio o dia internacional do trabalhador, em memória dos históricos acontecimentos de 1886 quando uma greve iniciada em Chicago nos Estados Unidos da América, com o objetivo de exigir melhores condições de trabalho, principalmente a redução da jornada de trabalho , de 17 para oito horas, contagiou vários substratos de trabalhadores daquela época.

Aquelas contagiantes manifestações geraram confrontos com agentes policiais, que redundaram em várias prisões e mortes de trabalhadores em Chicago e serviram de inspiração em muitas outras paragens do mundo.

Daquela época aos nossos dias, a classe trabalhadora de todo mundo, incluíndo a de Angola, continua a clamar por melhores condições de trabalho. Trabalho que dignifique o cidadão e salário condizente com o esforço laboral do trabalhador.

Decorrido o longo tempo que nos separa daquele facto heróico, ainda hoje, no nosso país, os angolanos lutam por adquirir um trabalho condigno e um salário mínimo que permita, pelo menos, sobreviver perante o elevado custo de vida que o actual sistema gerou ao longo dos 45 anos de governação do MPLA, relegando os cidadãos a mediocridade num país potencialmente rico.

Os destinos colectivos e individuais estão adiados devido a péssima governação que gangrenou o tecido humano em Angola. A corrupção, o nepotismo, a cleptocracia, o amiguismo, o compadrio e a exclusão social destruíram o sonho do angolano de viver com dignidade na pátria de sua nascença.

A UNITA lamenta, profundamente, que se assista nos dias de hoje angolanos a sobreviver de migalhas que os endinheirados atiram nos contentores de lixo. A má governação e o fracasso dos programas de políticas públicas do regime que governa o País, levaram os angolanos ao estado de indigência. A esperança de vida dos angolanos regrediu e o seu nível de vida tornou-se mais difícil do que antes.

As promessas eleitorais do Presidente da República, quer no âmbito político, económico ou social, em nenhum momento se estão a concretizar à favor dos bolsos dos cidadãos angolanos. O elevado custo de vida, a falta de uma assistência médica e medicamentosa de qualidade, o agravamento de impostos, o assustador nível de desemprego por causa do encerramento de várias unidades fabris ou comerciais, devido a baixa do preço de petróleo é a característica dominante da governação do Presidente João Lourenço.

A pandemia da Covid-19 somente destapou as fragilidades governativas do Partido Estado que não soube prever porque Governar é Programar, programar é planificar é organizar e organizar é prever. Prever é saber que o petróleo é um recurso não renovável. Apostar unicamente nesse recurso como fonte de receita para um País, mais a corrupção sistêmica e endémica que viciou os governantes, levaria o país ao nível em que está relegado hoje.

Não serão os programas paliativos como PIIM, PAC, PRODESI, KWENDA, e outros, na senda dos fracassados PAPE, PAPAGRO, PAPAROCAS, KIKUYA etc, a solução dos problemas do trabalhador angolano depauperado.

Caro trabalhador angolano:

O Estado angolano continua a ser um estado partidarizado onde o trabalhador para ter acesso aos direitos mais elementares, é forçado a ter o cartão do Partido da situação. Essa imposição do regime, colocou de fora quadros de qualidade e valiosos para a reconstrução e para o desenvolvimento sustentável do nosso belo e rico País.

A solução duradoura dos problemas que nos afectam , passa por uma governação participativa com a colaboração dos próprios munícipes para as questões locais como o fornecimento de energia eléctrica, água potável, a gestão de calamidades naturais como a seca, enxurradas, epidemias ou pandemias.

Só com uma real alternância do poder, os angolanos terão oportunidades iguais, com trabalho igual e salário igual. Só com um Governo Inclusivo e Participativo se poderá imprimir uma governação que salvaguarde e defenda os verdadeiros interesses e anseios de todo o trabalhador angolano.

A UNITA reitera a sua firme determinação para realizar o sonho ancestral dos angolanos, e implementar o projecto de sociedade pelo qual muitos nacionalistas se bateram e muitos, deles com denodo, derramaram o seu precioso sangue.

A UNITA quer servir a Pátria onde caibam todos os angolanos sem exclusão, intolerância e injustiça social. Assim é que a Direcção da UNITA adoptou como lema para o ano de 2021, o Ano da Mobilização dos Patriotas para a Alternância do Poder; porque a UNITA se tornou num baluarte político aberto que unifica várias correntes de pensamento e as congrega em torno de um propósito político tal como é seu brasão ideológico a UNIÃO NACIONAL.

Com a UNITA, a nossa Pátria saberá, dos escombros construir um país belo, forte e feliz, poderoso e capaz de constituir uma estrela cintilante no firmamento angolano, hoje perturbado para darmos como no passado, lições de que a vontade dos povos não se pode medir nem com o metro e nem com a balança*. Dr Savimbi.

Viva o 1° de Maio

Luanda, 1 de Maio de 2021 O Secretariado Executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA
Em destaque
01/04/2021
24/02/2021
O 4 de Abril é um dia histórico, um dia de memórias e de reflexões sobre a nossa
história, os nossos sonhos, nossos erros, nossos desafios e aspirações. É o dia da
assinatura do terceiro documento pré constituinte da República de Angola, o
Memorando de Entendimento do Luena.
Há 19 anos, no dia 22 de Fevereiro de 2002, tombava em combate, na localidade de Lukusse, no Moxico, como herói e mártir, um dos mais insignes filhos da nossa pátria, o Dr. JONAS MALHEIRO SAVIMBI. Este dia é para a UNITA, o dia do Patriota.
Recentemente o MINTTICS suspendeu a empresa que tem como director-executivo um cidadão não nacional e os quadros estrangeiros que não se encontram acreditados nem credenciados no Centro de Imprensa Aníbal de Melo.
Francisca Aragão Alexandre, de 29 anos de idade, também conhecida por Cubana, moradora do distrito urbano do Rangel, rua do Paraná, foi assassinada supostamente pelo namorado, no município de Talatona, algures no bairro Fubu.
Os serviços inter-municipais do Transportes Colectivos Urbanos de Luanda (TCUL) estão suspensos desde esta segunda-feira, 26 de Abril de 2021, devido à greve decretada pela sua comissão sindical.
O Comissário Geral Paulo de Almeida, fez saber, ontem, terça-feira, 13, durante o encerramento do 18º curso básico da PN que integrou 1552 efectivos oriundo das FAA, no Kikuxi, em Viana, que a Polícia Nacional vai ser mais dura em fazer cumprir os Decretos Presidenciais sobre a Situação de Calamidade Pública, “vamos reforças a nossa actuação a todos que violam os princípios dos Decretos Presidenciais sobre a Situação de Calamidade Pública, tudo está bem claro, a acção pedagógica já foi suficiente”, avisou.
Encerrou nesta terça-feira, 13, na Escola de Formação de Polícia Nacional (PN) do Kikuxi, município de Viana, o 18º curso básico da PN que integrou 1552 efectivos oriundo das FAA, os finalistas fazem parte do grupo dos 12 mil efectivos integrados nos anos 2018/2019.
A Assembleia Nacional está a realizar hoje, em Luanda, uma reunião de auscultação sobre a Proposta de Revisão da Constituição submetida à Assembleia Nacional, pelo Presidente da República.
Eco do Partido
Campo do militante
O Presidente da UNITA, Isaías Samakuva, trabalhou esta quarta-feira 26 de Julho de 2017, na capital do Bengo, Caxito, tendo discursado para as populações locais.
“A Importância ou não da cerca sanitária em Luanda” foi o tema do Debate da manhã deste sábado, 22 de Agosto de 2020, na Rádio Despertar, em que os convidados consideraram não continuarem válidas as razões que estiveram na base da criação da cerca sanitária à Província de Luanda.
Intolerância
Palavra do Presidente
O Presidente da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) está de visita à Guiné-Bissau no quadro de “movimentação política a procura de apoios ”, de com a informação posta na Página Oficial da Rede Social Facebook, do segundo maior Partido angolano mais representado no Parlamento Angolano, Adalberto Costa Júnior.

Adalberto da Costa Júnior manteve esta sexta-feira um encontro com o chefe de Estado guineense, Umaro Sissoco Embaló, com quem disse ter partilhado impressões.

Disse que é com grande satisfação que está na Guiné-Bissau representando a UNITA e que está num périplo por alguns países africanos e europeus com desafios grandes e imediatos.

"Temos com a Guiné-Bissau e CPLP em comum o continente africano e portanto é absolutamente natural, eu mais ou menos neste altura do ano passado visitei o Cabo Verde onde desenvolvi o mesmo tipo de objectivo desta visita”, explicou.

Aquele político disse que saiu hoje de Portugal e em seguida estará na Alemanha, acrescentando que está numa movimentação de âmbito político a procura de apoios para Angola principalmente ligados ao aprofundamento da democracia.

O Presidente da UNITA sustentou que o seu país está num processo de democratização que está muito lento, frisando que, um país como Angola, com todas as suas potencialidades, tem vindo a ser adiado a um futuro risonho e que a UNITA tem uma proposta forte de ser alternância que a Angola almeja por via democrática.

Adalberto da Costa, disse que a sua formação acompanhou um ciclo de mutações de liderança em 2017 e que a nova liderança surgiu com reformas, de combate à impunidade e corrupção.

"O país está pior do que o período de transição que trouxe a esperança para toda gente. Os angolanos vivem muito pior com mais dificuldades, a crise económica aprofundou-se e se é verdade que a pandemia atingiu todo mundo e a nós também”, disse.

Adalberto da Costa disse que a UNITA gostaria de ver mudada essa realidade porque Angola é um “país extraordinário” com um povo que merece o melhor do que a pobreza que aumenta todos os dias.

Frisou que estão a viver um período praticamente de pré-campanha para eleições gerais de 2022 e que a espectativa da sua formação é muito grande embora o governo tenha a tendência de incumprir compromissos estratégicos institucionais.

O líder da UNITA disse que estão a formatar uma ampla frente democrática para alternância do poder em 2022.

Questionado sobre o projecto de revisão de Constituição em Angola, disse que ninguém propõe revisão constitucional no período da pré-campanha eleitoral e que quando já se está com a corrida em andamento não se mudam as regras.
grupo parlamentar 
Defendeu o Presidente do Grupo Parlamentar da UNITA, Liberty Chiyaka, no pretérito dia 27 de Abril de 2021, no Complexo Sovsmo, em Viana, durante a conferência de imprensa realizada pelo seu Grupo, onde dentre outros assuntos passou em revista a situação actual e os acontecimentos recentes que marcaram o País, tendo também se realçado com maior relevância sobre a crise de legitimidade e a qualidade da democracia em Angola.

Na sua comunicação, o Líder Parlamentar expós que, “Angola vive uma grave crise de legitimidade do Poder Executivo, que decorre da falta de cumprimento dos compromissos assumidos com os angolanos durante a campanha eleitoral de 2017”.

“Angola vive uma grave crise de confiança política nas instituições do Estado, acentuada por uma extraordinária crise de confiança social e consequentemente existe uma percepção geral que os poderes públicos não atendem as necessidades básicas dos cidadãos”, reforçou.

Para Liberty Chiyaka que presidia ao encontro, “tal situação agravou-se como revelam os movimentos de contestação social, durante o ano de 2020, quando jovens saíram às ruas e muito recentemente as manifestações de estudantes, as ameaças de greves de professores, outros profissionais. O poder emana do povo e o seu exercício só se justifica quando recebe a aprovação do soberano, falamos da legitimidade democrática, o contrário não é aceitável”, disse.

Sobre a qualidade da democracia em Angola Liberty Chiyaka afirmou.

“Sobre a qualidade da democracia em Angola, o Estado democrático é essencialmente um estado de direito. A democracia concretiza-se pelo sufrágio universal, em eleições livres, competitivas, regulares e periódicas; competição justa entre vários partidos, fontes alternativas de informação credível, liberdade e igualdade política e a possibilidade de alternância do poder político”.

O responsável afirma ainda que, “Um regime democrático não assassina os seus filhos, não prende jornalistas por delito de opinião, não encerra serviços de rádio e televisão que são considerados hostis à governação, colocando cerca de 2000 postos de emprego em risco por caprichos político-partidários do líder do partido governante”.

“Um regime democrático pressupõe boa governação e esta satisfaz as expectativas dos cidadãos, responde às necessidades dos cidadãos, assegura os direitos civis e políticos do povo, permite a existência de mecanismos de participação política, disponibilizando recursos para os partidos no sentido do controlo do governo e responsabilização dos seus actos que configurem gestão danosa e ou ilícita”, realçou o Presidente do Grupo Parlamentar da UNITA.
L.i.m.a - actividades
Foi com profunda dor e consternação que o Secretariado do Executivo do Comité Nacional da LIMA, recebeu a triste notícia do passamento físico do nosso grande e respeitável companheiro, filho e irmão, homem de alta firmeza e determinação, um compatriota das hostes dos Generais formados pelo Presidente Fundador, Dr. Jonas Malheiro Savimbi!

O General Arlindo Samuel Kapiñagala (Kapiñgala), mais conhecido por General Samy tal como carinhosamente era tratado, quer nas lides ou fileiras das extintas FALA, assim como no nosso seio. O General Samy foi um exímio quadro das forças armadas, comprometido com a Pária, chegou a exercer o cargo de Vice-chefe do Estado-maior das FALA.

Vítima de doença, o General Arlindo Samuel Kapiñagala ou simplesmente, General Samy, infelizmente partiu hoje para à eternidade!

Neste momento difícil e desolador, o Secretariado do Executivo do Comité Nacional da LIMA, endereça a todos os seus companheiros de longas jornadas e não só, amigos, colegas, aos Angolanos em geral e em especial à família biológica enlutada, os sinceros e profundos sentimentos de pesar, curvando-se ante à sua memória!

Eterna paz, honra e glória à sua alma!

LUANDA, AOS 28 DE ABRIL DE 2021

O Secretariado do Executivo do Comité Nacional da LIMA.
C:\Mes Sites\Unitaangola29122013\UNITAANGO_WEB\coqUNITA.jpg
 Publicidade
Obra de Isaías Samakuva
Ex-Presidente da UNITA (2003-2019)
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicacão e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
©  Copyright 2002-2020
Quinta-feira, 06 de Maio de 2021